Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

POETA É O POVO

POESIA

POETA É O POVO

POESIA

02
Set16

SOZINHA


sopa-de-letras

 DSCF5583.JPG

(foto do meu jardim Julho 2016)

 

Tal e qual na chegada

E assim será na partida

Sigo só por esta estrada

Ando sozinha na vida

 

Daqui já avisto a meta

Já estou na recta final

Já pouca coisa me afecta

Já é  tudo tao banal

 

Dos sonhos e do amor

Tudo passa tudo vai

Como a mais bela flor

Passa o tempo e ela cai

 

Partirei sem perceber

O porquê de ser assim

Eu neste mundo viver

Sempre perdida de mim

 

BL 02.09.2016

 

 

 

31
Mai16

SONHOS


sopa-de-letras

tumblr_lw8dcuy9mv1qe7mxjo1_500_large.jpg

 

Ai como doi matar o sonho !

O sonho nasce, sorrindo em nosso peito.

Vai ganhando forma.

Vai ganhando cor.

Afaga-nos

Quando estamos chorosos.

Acaricia-nos

Quando sofremos.

O sonho

Seca , com um sorriso,

A nossa lagrima mais sentida.

Da-nos força

Para seguir o caminho,

Por mais tortuoso que seja.

O sonho esta la,

Sempre presente,

Ainda que ninguem o veja.

O nosso coraçao sabe,

Que `e o sonho que nos aguenta;

Que nos injecta animo

Para cumprir tarefas.

E `e por tudo isto

Que tudo se transforma

Quando morre o sonho.

Quer seja de morte natural

Ou assassinado.

A escuridao envolve-nos a alma.

A tristeza invade

Todos os nossos recantos

Vem o desanimo

E a gente chega a pensar

Se vale a pena

Continuar a viver.

Vamos vegetando.

Ate que um dia,

Um novo casulo começa a formar-se

E entao...tudo se renova

Ao sentirmos que a borboleta

Furou o casulo

E ja anda esvoacando

Batendo as asinhas.

 

BL 31.05.2016

 

25
Mai16

PLANOS DE DEUS


sopa-de-letras

tumblr_ld2pfy56s61qdkaydo1_500_large.jpg

 

Vim rolando pela vida
Parando de quando em quando
`A esquina do sentimento
Nunca fui compreendida
E mesmo assim fui amando
Lançando paixões ao vento

 

Vi desabar tempestades
Em noites de escuridão
Luz de raios me iluminou
`As vezes sinto saudades
De tempos que ja la vão
Do amor que se acabou

 

Mas a cada novo dia
Sinto no peito a pulsar
A esperança da paixão
Vai nascendo poesia
E a luz ao meu olhar
Volta com sofreguidão

 

Se parei no teu caminho
Talvez Deus tenha planos
Que ambos desconhecemos
Quem sabe se esse carinho
Perdido atraves dos anos
Passa a ser tudo o que temos


BL 25.05.2016

25
Mai16

O AMOR `E REI


sopa-de-letras

trono.jpg

 

Ninguém pense que comanda
Ou que pode decidir
As coisas do coração
Ele é como uma ciranda
Que a palha deixa cair
Quando a separa do grão

 

O amor é muito mais
Do que dizem por aí
Essas bocas mal dizentes
Quando atraca no teu cais
Todo ele se agarra a ti
Quer la saber do que sentes

 

Bem podes tentar fugir
A ele pouco lhe importa
Põe-se a rir do teu penar
No entanto se sentir
Que lhe franqueias a porta
Pode até nem querer entrar

 

Amor é rei e senhor
Põe e dispõe do teu ser
Como se fosse o teu dono
Faz-se alheio `a tua dor
E por maldade ou por prazer
Do teu peito faz um trono

 

BL 25.05.2016

24
Mai16

LÁ PELAS OITO DA TARDE


sopa-de-letras

 

pena_branca.jpg

 

Quando eu morrer,
Quero que seja a esta hora.
`A hora em que o sol beija a terra.
`A hora em que o dia,
Lentamente, se entrega
Nos braços da noite.
Quero que a minha alma,
Finalmente,
Possa ter total liberdade,
Para desfrutar da noite.
Quero que, assim,
Tudo em mim seja intocável.
Que as acusações maldosas
Não me atinjam.
A minha alma voará,
Levada pelos ventos,
Como a pena branca,
Duma ave pura, imaculada.
Partirá da ilha,
Voará sobre o Canal.
Os ventos de França,
E de Espanha a levarão a Portugal.
Atravessará a fronteira
`A hora em que,
Para a ultima refeição do dia,
As familias se reunem
`A volta da mesa.
Chegada a Lisboa,
Quando a Vela Latina
Abrir as portas
Lá estaremos
Para um pezinho de dança.
Passearemos pelas docas,
Copo aqui, copo acolá.
Mais tarde,
No Senhor Vinho
Ouviremos um fadinho.
Visitaremos os bairros,
subiremos ao Castelo.
`As tantas da madrugada,
Iremos ate ao Chile,
Para a bolinha de Berlim.
E acabaremos a noite,
Exaustas mas satisfeitas,
Lá pelas seis da manhã,
Entre o peixe e a hortaliça,
Cercadas de palavrões,
No velho Cacau da Ribeira.
Pena, mas que pena...
Nao pudemos ir `a feira,
Meia duzia de aldrabões
Já acabaram com ela.
Quando, enfim,
O novo dia despontar,
Espalhada na areia da Torrinha,
Minha alma saboreará
O doce marujar
E o toque meigo
Das águas.
Então o mar,
Senhor todo poderoso,
Há-de levá-la consigo,
E, quem sabe,
Guardá-la, cioso,
Ate ao fim dos tempos !

 

BL 24.05.2016

23
Mai16

A VIDA NAO DURA SEMPRE


sopa-de-letras

 

55108_Papel-de-Parede-Estrada-Longa_1600x1200.jpg

 

A vida é como uma estrada
Que toda a gente percorre
Para alguns abencoada
Mas há gente, que, coitada
Tanto luta ate que morre

 

Há quem diga que o destino
Já vem connosco, ao chegar
Justificam o desatino
Pondo as culpas no divino
Para a consciência limpar

 

Não penso assim, podem crer
Deus deu-nos discernimento
E acredito que , ao nascer
Já vem connosco o poder
Da escolha a cada momento

 

Sei que sobre sentimentos
Ninguem pode decidir
E sei que não somos isentos
De escolhermos os ventos
Que nos irão conduzir

 

Passar por cá sem viver
Melhor fora não passar
Vive a vida com prazer
Faz feliz esse teu ser
Que a vida vai acabar.

 

BL 23.05.2016

12
Mai16

MAR IMENSO


sopa-de-letras

MA.jpg

 

Atravessei o deserto !

E, apenas p'ra me salvar

Andando com passo incerto

Afoitei-me, entrei no mar

 

Esse mar, imensidão

Sem ter principio nem fim

Envolveu meu coração

Tambem ele entrou em mim

 

Ao perceber-me perdida

Por entre as vagas gigantes

Fugi p'ra salvar a vida

Nadei p'ra portos distantes

 

Hoje estou convalescente

Talvez possa até ter cura

E creio, sinceramente,

Terminou minha amargura

 

Sobre a água tenho um pé

O outro está na areia

Na vida tenho mais fé

Já não me parece feia.

 

BL 12.05.2016

 

21
Mai15

O FADO E A GUITARRA


sopa-de-letras

DSC_0039 (2).jpgNa foto: a fadista Maria Lucia Abreu e o guitarrista Manuel Magno

 

A guitarra e mais o fado

Velhos amigos leais 

Ela chora, ele `e cantado

E ambos sofrem demais

 

Quem quiser ouvir trinar

A voz doce da guitarra

O fado va procurar

Em qualquer noite de farra

 

Andam por ai perdidos

Sorrindo de mao na mao

A invadir os sentidos

De quem tem um coracao

 

Nao se podem separar

Um sem outro nao `e nada

Antes dele comecar

Ja ela esta preparada

 

Ninguem viu tamanho amor

Tao desvairada paixao

Ela apregoando a dor

E ele, a desilusao

 

Amam-se perdidamente

Trazem no peito a certeza

Um sentir assim diferente

So na alma portuguesa

 

21.05.2015 - MP

 foto de Maria Letras

 

 

 

 

 

21
Set14

DO CIMO DOS MEUS SALTOS ALTOS


sopa-de-letras

 

 

 

Do cimo dos meus saltos altos

Eu vejo a falsa modestia

Pavonear-se por ai

 

Do cimo dos meus saltos altos

Observo a rendicao dos  "importantes"

A quem lhes presta vassalagem

 

Do cimo dos meus saltos altos

Eu adivinho a traicao

No olhar dos "puritanos"

 

Do cimo dos meus saltos altos

Eu escuto as oracoes

De quem nao se coibe de espetar farpas

Nas costas de qualquer um

 

Do cimo dos meus saltos altos

Eu vejo acorrentada

A liberdade de quem a apregoa

 

Do cimo dos meus saltos altos

Vejo cadeados e correntes

Na alma de quem se diz livre

 

Do cimo dos meus saltos altos

Eu estendo o meu sorriso

Quando observo os julgamentos

Que fazem de mim

 

Do cimo dos meus saltos altos

Eu fico a pensar

Como `e facil esmagar baratas

Com uns sapatos como estes

 

E ainda do cimo dos meus saltos altos

Eu penso que

Se Deus pos baratas no mundo

Alguma utilidade devem ter

 

Do cimo dos meus saltos altos

Eu estendo a mao a quem dela precisa.

!! Incondicionalmente !!

 

Do cimo dos meus saltos altos

Orgulho-me da minha simplicidade

Da minha liberdade

Da minha integridade

 

Obrigada Senhor

Por me concederes a graca

De ser como sou

E

Ainda que nenhuma alma

Entenda patavina do que estou a dizer

 

Ainda que fique sozinha no mundo

 

Direi ate ao fim

 

Que eu saiba sempre

Observar o mundo

Do cimo dos meus saltos altos

 

02
Ago14

ENCONTRO COMIGO


sopa-de-letras

Hoje acordei assim
A alma a escapar-se-me para a essencia.
Nestes encontros comigo
Amo o momento em que atinjo o horizonte
La onde o sol brilha. ...
Mas amo ainda mais
Os montes e vales
Que percorro para la chegar .

E se o sol hoje nao brilhar...
Desenhem um sol numa folha A4
E colem-no dentro do coracao.

PS: So podemos ter paz, se compreendermos o nosso proprio ser. 
So podemos entender os outros, se tivermos paz

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D