Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

POETA É O POVO

POESIA

POETA É O POVO

POESIA

21
Dez20

NATAL DA MINHA INFÂNCIA


Maria Letras sopa-de-letras

 

Quem dera que este Natal
Fosse como os da infância
Desse crer angelical
Que se perdeu na distância

Quem dera que na cozinha
Crepitasse o lume aceso
E ao canto na cadeirinha
Brilhasse o olhar surpreso

O meu pai tão engenhoso
Lá em cima do telhado
Fizesse descer vistoso
O presente desejado

A minha mãe divertida
Sem eu nada perceber
Dizia: -reza querida
Que o presente vai descer

De mãos postas a orar
Com fervor ao Deus Menino
Eu nem queria acreditar
Nesse presente divino

E na chaminé descia
Pela corda na cestinha
Enquanto uma voz dizia
Uma prenda p'rá Nádinha

Quanta saudade Deus meu
Sinto agora ao recordar
Os pais que Deus me deu
Que já não posso abraçar

Maria Letras, UK
21.12.2020

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Em destaque no SAPO Blogs
pub