Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

POETA É O POVO

POESIA

POETA É O POVO

POESIA

21
Dez20

NATAL DA MINHA INFÂNCIA


Maria Letras sopa-de-letras

 

Quem dera que este Natal
Fosse como os da infância
Desse crer angelical
Que se perdeu na distância

Quem dera que na cozinha
Crepitasse o lume aceso
E ao canto na cadeirinha
Brilhasse o olhar surpreso

O meu pai tão engenhoso
Lá em cima do telhado
Fizesse descer vistoso
O presente desejado

A minha mãe divertida
Sem eu nada perceber
Dizia: -reza querida
Que o presente vai descer

De mãos postas a orar
Com fervor ao Deus Menino
Eu nem queria acreditar
Nesse presente divino

E na chaminé descia
Pela corda na cestinha
Enquanto uma voz dizia
Uma prenda p'rá Nádinha

Quanta saudade Deus meu
Sinto agora ao recordar
Os pais que Deus me deu
Que já não posso abraçar

Maria Letras, UK
21.12.2020

12
Dez20

NÃO SE PODE SER FELIZ


Maria Letras sopa-de-letras

 

Nesta vida mais não somos que aprendizes
Que jamais saberão toda a lição
Sonhamos aprender a ser felizes
Sem saber o quanto o sonho é ilusão

Pelo mundo nós seguimos confiantes
No caminho que se abre à nossa frente
Para trás fica tudo o que era dantes
Importante mas não cabe no presente

Nova luz nova cor nova ilusão
Acrescenta à nossa vida algum sentido
Alegria que nos enche o coração
Como enchia tudo o que já foi esquecido

No ser humano acreditamos outra vez
Elegemos o amor nossa bandeira
Sem pensar na ilusão que se desfez
Nem que a vida é tantas vezes traiçoeira

Até podemos vir um dia a alcançar
O horizonte tantas vezes almejado
Mas a paz não iremos encontrar
Se houver alguém a sofrer do outro lado

Maria Letras,UK
Julho 2020

06
Dez20

ESTRELAS CADENTES


Maria Letras sopa-de-letras

 

Todos os netos são lindos
Aos olhos dos seus avós
Sáo os caminhos infindos
Que prolongam todos nós

Das minhas seis avezinhas
Eu não poderia escolher
Igualmente todas minhas
No meu peito até morrer

Seus olhos duas estrelas
A brilhar em céu aberto
Vê-se a gente toda nelas
Quando a ÂNGELA está perto

O homenzinho, o primeiro
Menino de oiro o ANDRÉ
Meu neto, meu companheiro
Desde quando era bébé

Caracóis, olhos imensos
Nosso gosto é similar
ANA de sonhos suspensos
No brilho do seu olhar

Tem doçura no falar
Fala conosco baixinho
A JOANA faz lembrar
Chilrear de passarinho

O JAMES um rapagão
Forte e compenetrado
Dá abraços com paixão
E sempre na mana focado

Carácter acentuado
Amélia neta querida
Cada mano um aliado
E ela sempre protegida

Eis aqui os seis presentes
Que até hoje recebi
Minhas estrelas cadentes

Por tudo quanto sofri

Maria Letras,UK
06.12.2020

ESTRELAS CADENTES.jpg

65315531_10157317754164600_5052864668230483968_n.jpg

 

 

02
Dez20

CAOS OU HARMONIA ?


Maria Letras sopa-de-letras

45.jpg

 


Perseguindo, a vida toda, a harmonia
Nas mais pequenas coisas desta vida
Teimosa vou lutando a cada dia
Estou cansada sim, quase vencida

No infinito espaço que há em mim
Tudo tem que ter o seu lugar
Tal como os canteiros num jardim
Ordenados de forma a encantar

Na cristaleira os copos a brilhar
Na estante os livros ordenados
Sobre a mesa as flores a adornar
No peito os sentimentos arrumados

Por isso eu penso que esses génios
Que fazem grandes obras, sem sentido
São na vida desgraçados e boémios
Gente louca a quem tudo é permitido

Sei que vão chamar-me ignorante
E poderão estar certos e eu errada
Vou pensar no caso e doravante
Vou tentar ser menos aprumada

Talvez até, vá abrir dentro de mim
As comportas do caos que está velado
E a enchurrada do sentir venha pôr fim
À mania de manter tudo arrumado

Maria Letras,UK
02.12.2020

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Em destaque no SAPO Blogs
pub