Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

POETA É O POVO

POESIA

POETA É O POVO

POESIA

06
Jan16

`E ASSIM O NOSSO FADO


Maria Letras sopa-de-letras

 

O fado que sofre e chora
Que se arrasta pelo tempo
Umas vezes se enamora
Outras cai em desalento


Veio do povo e `e vulgar
Por vezes ate grosseiro
Mas se `e hora de agradar
Elegante e lisonjeiro


Cansado de vaguear
E de andar de lado em lado
Na guitarra vai matar
As saudades do passado


`E ve-lo, sorriso aberto
Com vontade de brincar
E ela ao senti-lo perto
Chora rios no seu trinar


E a perfeita comunhao
Entre a guitarra e o fado
`E tal que o coracao
Salta no peito agitado


Quem os escuta e os sente
Deixa escapar concerteza
A lagrima que `e patente
Da alma bem portuguesa
E
A um ouvido apurado
Nao escapa , em cada farra
Que a guitarra `e o proprio fado
E o fado  a propria guitarra

 

MP-08.11.2015
Ciclo do fado

06
Jan16

O FADO E A GUITARRA


Maria Letras sopa-de-letras

 

O FADO E A GUITARRA
( SENTIR DE FADO )

A guitarra e mais o fado
Velhos amigos leais
Ela chora, ele é cantado
E ambos sofrem demais


Quem quiser ouvir trinar
A voz doce da guitarra
O fado vá procurar
Em qualquer noite de farra


Andam por ai perdidos
Sorrindo de mão na mão
A invadir os sentidos
De quem tem um coração


Não se podem separar
Um sem outro nao é nada
Antes dele começar
Já ela está preparada


Ninguém viu tamanho amor
Tão desvairada paixão
Ela apregoando a dor
E ele, a desilusão


Amam-se perdidamente
Trazem no peito a certeza
Um sentir assim diferente
Só na alma portuguesa

in ciclo do fado...
Maria Letras
21.05.2015

06
Jan16

A NATUREZA DO FADO


Maria Letras sopa-de-letras

 

Nasceu de amor e pecado
De amantes e bebedeiras
Nunca quis ser educado
Renega as boas maneiras

Cresceu de pata descalça
P’las calçadas da cidade
O fado não é uma farsa
É pureza e é verdade


Se parece traiçoeiro
Pois não o é na verdade
Seu coração verdadeiro
É feito de lealdade


Nos becos vai passeando
Seu olhar apaixonado
E é assim que vai matando
A fome de ser amado

 

MP-10.11.2015
Ciclo do fado

06
Jan16

POVO INGRATO


Maria Letras sopa-de-letras

 

Quem chama ao fado vadio
`E bom que fique calado
Pois nao sabe o desvario
Que ha na alma do fado


Dizem que `e um cigano
Vive armando zaragata
Que leva todas ao engano
Nao passa dum vira-lata


De tudo acusam o fado
Que `e um bebado, um calao
Tao pobre, tao malfadado
Que nem tem um coracao


Traicoeiro e vigarista
Faz-se passar por cancao
Mas `e so fogo de vista
Pois cantar nao sabe nao


E quando ele ja cansado
De ser acusado assim
Se apruma e sai desvairado
Num lamento sem ter fim


Coloca na voz a paixao
Chora, seu pranto sentido
Vai certeiro ao coracao
Crava em nos o seu gemido


Entao `e que o povo esquece
O quanto ao fado magoou
Erguendo aos ceus uma prece
Renega o mal que falou


`E assim que paga o fado
O mal que alguem lhe fez
Em todo o mundo `e cantado
O jeito de ser portugues

 

MP- 12.11.2015
Ciclo do fado

06
Jan16

A GUITARRA PORTUGUESA


Maria Letras sopa-de-letras

 

Fado...velho macho sedutor
Que andas por toda a parte
Espalhando cheiro de amor
E mostrando a tua arte


Pobres guitarras coitadas
Que nao sabem resistir
Pensando que sao amadas
Por ti andam a carpir


Na tua voz se entrelaçam
Falam de amor e saudade
E quando elas te abraçam
Vais ao rubro, de vaidade


Caprichoso e velho fado
Nao gostas nada de amarras
Mas queres sentir a teu lado
O paparicar das guitarras


P’ra todas sabes cantar
Com tua arte e destreza
Mas tu so sabes amar
A guitarra portuguesa

 

MP-12.11.2015
Ciclo do fado

06
Jan16

EMIGRANTE


Maria Letras sopa-de-letras

Ai Portugal velhinho
Que condão é esse teu
Que deixas partir sozinho
Quem, de si, tanto te deu?


Tão hospitaleiro és
Tens tão grande coração
Tiveste o mundo a teus pés
E hoje nada tens na mão


Asa curta de galinha
P’ros filhos agasalhar
Nem p’ro pão dá a farinha
Resta apenas emigrar


Lá longe não falta o pão
Ao corpo nao falta nada
Mas em cada coração
Falta o sol da pátria amada


Falta o cheiro dos trigais
Da terra quente no verão
Do mar e dos matagais
Da sardinha no São João


Não há terra como a nossa
E a gente morre de saudade
Vai rezando p’ra que possa
Voltar um dia mais tarde

 

MP-13.11.2015
Ciclo da terra

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Em destaque no SAPO Blogs
pub