Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

POETA É O POVO

POESIA

POETA É O POVO

POESIA

22
Jan16

DESTINO


sopa-de-letras

b.295.0.16777215.0.stories.noticias.coimbra-fado.j

 

Nao ha, no que vou dizer
Nem espanto nem novidade
Todos sabem que a mulher
Tem na alma intensidade


Mas talvez seja surpresa
E cause admiracao
Que a guitarra portuguesa
Tenha, tambem, coracao


Tal e qual uma mulher
`E ser altivo e maior
Sabe chorar de prazer
Gemer quando faz amor


E se o homem lhe tocar
As cordas com sabedoria
Tanto pode, ela, chorar
Como rir com alegria


Um dia conheceu o fado
Os dois logo se encantaram
Juntos vao p’ra todo o lado
Nunca mais se separaram


E quem escutou, concerteza
Nao se enganou, ao supor
Que a guitarra portuguesa
Com o fado fez amor.


MP-21.11.2015
ciclo do fado

22
Jan16

GUITARRA E FADO


sopa-de-letras

amalia_03.jpg

 

Quando a guitarra a chorar
Chama p’lo fado vadio
Ele vem sem exitar
Quer esteja calor ou frio


Se por acaso estiver
Em algum canto sozinha
`E por certo por saber
Que o fado ja se avizinha


Num mundo de falsidade
Nem da para acreditar
Em tanta cumplicidade
Em tanto amor a entoar


A voz timbrada do fado
E as cordas a vibrar
Sao o soluco abafado
De quem nao pode chorar


Gritos soltos ao vento
Paixao vibrando no ar
Um beijo em cada lamento
Ternura no seu beijar


Podem pois acreditar
Nesta minha afirmacao
Seja a cantar ou a chorar
Sao dois num so coracao


MP-07.08.2015
Ciclo do fado

22
Jan16

NEM TODOS OS FADOS SAO FADO


sopa-de-letras

o-fado-por-stuart-carvalhais-1384903100_org.jpg

 

O fado para ser fado
Tem que ter tristeza e dor
Um timbre bem avinhado
E saber falar de amor


Em cada verso que diz
Tem que conter emocao
Mostrar ser muito infeliz
E falar ao coracao


Na voz rouca e sensual
Arrastando a poesia
Um toque bem jovial
De fadistagem vadia


Tem que ter estoria e sentido
E fazer chorar o povo
Trazer seculos no gemido
Mas mostrar-se sempre novo


Ter boa voz, ser rimado
Ser firme e ter muita garra
Mas o fado so `e fado
Se possuir a guitarra !!!


MP -08.09.2015
Ciclo do fado

06
Jan16

`E ASSIM O NOSSO FADO


sopa-de-letras

 

O fado que sofre e chora
Que se arrasta pelo tempo
Umas vezes se enamora
Outras cai em desalento


Veio do povo e `e vulgar
Por vezes ate grosseiro
Mas se `e hora de agradar
Elegante e lisonjeiro


Cansado de vaguear
E de andar de lado em lado
Na guitarra vai matar
As saudades do passado


`E ve-lo, sorriso aberto
Com vontade de brincar
E ela ao senti-lo perto
Chora rios no seu trinar


E a perfeita comunhao
Entre a guitarra e o fado
`E tal que o coracao
Salta no peito agitado


Quem os escuta e os sente
Deixa escapar concerteza
A lagrima que `e patente
Da alma bem portuguesa
E
A um ouvido apurado
Nao escapa , em cada farra
Que a guitarra `e o proprio fado
E o fado  a propria guitarra

 

MP-08.11.2015
Ciclo do fado

06
Jan16

O FADO E A GUITARRA


sopa-de-letras

 

A guitarra e mais o fado
Velhos amigos leais
Ela chora, ele `e cantado
E ambos sofrem demais


Quem quiser ouvir trinar
A voz doce da guitarra
O fado va procurar
Em qualquer noite de farra


Andam por ai perdidos
Sorrindo de mao na mao
A invadir os sentidos
De quem tem um coracao


Nao se podem separar
Um sem outro nao `e nada
Antes dele comecar
Ja ela esta preparada


Ninguem viu tamanho amor
Tao desvairada paixao
Ela apregoando a dor
E ele, a desilusao


Amam-se perdidamente
Trazem no peito a certeza
Um sentir assim diferente
So na alma portuguesa


MP-21.05.2015
Ciclo do fado

06
Jan16

A NATUREZA DO FADO


sopa-de-letras

 

Nasceu de amor e pecado
De amantes e bebedeiras
Nunca quis ser educado
Renega as boas maneiras

Cresceu de pata descalça
P’las calçadas da cidade
O fado não é uma farsa
É pureza e é verdade


Se parece traiçoeiro
Pois não o é na verdade
Seu coração verdadeiro
É feito de lealdade


Nos becos vai passeando
Seu olhar apaixonado
E é assim que vai matando
A fome de ser amado

 

MP-10.11.2015
Ciclo do fado

06
Jan16

POVO INGRATO


sopa-de-letras

 

Quem chama ao fado vadio
`E bom que fique calado
Pois nao sabe o desvario
Que ha na alma do fado


Dizem que `e um cigano
Vive armando zaragata
Que leva todas ao engano
Nao passa dum vira-lata


De tudo acusam o fado
Que `e um bebado, um calao
Tao pobre, tao malfadado
Que nem tem um coracao


Traicoeiro e vigarista
Faz-se passar por cancao
Mas `e so fogo de vista
Pois cantar nao sabe nao


E quando ele ja cansado
De ser acusado assim
Se apruma e sai desvairado
Num lamento sem ter fim


Coloca na voz a paixao
Chora, seu pranto sentido
Vai certeiro ao coracao
Crava em nos o seu gemido


Entao `e que o povo esquece
O quanto ao fado magoou
Erguendo aos ceus uma prece
Renega o mal que falou


`E assim que paga o fado
O mal que alguem lhe fez
Em todo o mundo `e cantado
O jeito de ser portugues

 

MP- 12.11.2015
Ciclo do fado

06
Jan16

A GUITARRA PORTUGUESA


sopa-de-letras

 

Fado...velho macho sedutor
Que andas por toda a parte
Espalhando cheiro de amor
E mostrando a tua arte


Pobres guitarras coitadas
Que nao sabem resistir
Pensando que sao amadas
Por ti andam a carpir


Na tua voz se entrelaçam
Falam de amor e saudade
E quando elas te abraçam
Vais ao rubro, de vaidade


Caprichoso e velho fado
Nao gostas nada de amarras
Mas queres sentir a teu lado
O paparicar das guitarras


P’ra todas sabes cantar
Com tua arte e destreza
Mas tu so sabes amar
A guitarra portuguesa

 

MP-12.11.2015
Ciclo do fado

06
Jan16

EMIGRANTE


sopa-de-letras

Ai Portugal velhinho
Que condão é esse teu
Que deixas partir sozinho
Quem, de si, tanto te deu?


Tão hospitaleiro és
Tens tão grande coração
Tiveste o mundo a teus pés
E hoje nada tens na mão


Asa curta de galinha
P’ros filhos agasalhar
Nem p’ro pão dá a farinha
Resta apenas emigrar


Lá longe não falta o pão
Ao corpo nao falta nada
Mas em cada coração
Falta o sol da pátria amada


Falta o cheiro dos trigais
Da terra quente no verão
Do mar e dos matagais
Da sardinha no São João


Não há terra como a nossa
E a gente morre de saudade
Vai rezando p’ra que possa
Voltar um dia mais tarde

 

MP-13.11.2015
Ciclo da terra

Pág. 1/2

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Links

-POESIA

Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D