Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

POETA É O POVO

POESIA

POETA É O POVO

POESIA

30
Jan14

SE ME ESQUECERES


sopa-de-letras

Domingo, 22 de Abril de 2012
SE ME ESQUECERES

 

 

Quero que saibas uma coisa.
Sabes como é: se olho a lua de cristal,

o ramo vermelho do lento outono à minha janela,

se toco junto do lume a impalpável cinza

ou o enrugado corpo da lenha,

tudo me leva para ti,

como se tudo o que existe,

aromas, luz, metais,

fosse pequenos barcos que navegam

até às tuas ilhas que me esperam.
Mas agora,

se pouco a pouco me deixas de amar

deixarei de te amar pouco a pouco.
Se de súbito me esqueceres

não me procures,

porque já te terei esquecido.
Se julgas que é vasto e louco

o vento de bandeiras que passa pela minha vida

e te resolves a deixar-me na margem do coração

em que tenho raízes,

pensa que nesse dia,

a essa hora levantarei os braços

e as minhas raízes sairão em busca de outra terra.
Porém se todos os dias,

a toda a hora,

te sentes destinada a mim com doçura implacável,

se todos os dias  uma flor te sobe aos lábios à minha procura,

ai meu amor, ai minha amada,

em mim todo esse fogo se repete,

em mim nada se apaga nem se esquece,

o meu amor alimenta-se do teu amor,

e enquanto viveres estará nos teus braços sem sair dos meus.


Pablo Neruda, in "Poemas de Amor de Pablo Neruda"

30
Jan14

O SOM DO SILENCIO


sopa-de-letras

Terça-feira, 24 de Abril de 2012
O SOM DO SILENCIO

 

 

 

Rasga-se dentro de mim o silencio

Numa explosao de palavras

O vulcao rebenta

A larva escorre

Espessa e efervescente

Pelas encostas do meu coracao

Tornam-se estereis

Os terrenos que ela inunda

Jamais, deles brotarao flores

 

 

 

 

 

30
Jan14

CRAVOS MORTOS


sopa-de-letras

Terça-feira, 24 de Abril de 2012
CRAVOS MORTOS

 

 

 

 

 

Livrai-nos senhor dos bons

Porque dos maus nos nos livramos.

Povo meu, que com coragem e audacia

Soubeste calar a voz do fascismo.

Engravidaste de esperanca

Embebedaste-te de liberdade

Elegeste os bons para teu governo

Acreditando, confiando

Em suas maos o teu destino.

 

Povo credulo e ingenuo

Que ao longo de 38 anos

Deixaste que os cravos secassem

E que dia apos dia

Te fossem diminuindo a racao.

Mas tudo por um bom motivo

Tudo em nome da liberdade

Apregoada pelos bons

E por ti acarinhada.

 

Povo povo crianca

Tao facil de enganar

Que te deixas adormecer

Embalado pelo discurso

E pelas cantigas dos bons

Esta na hora de acordar

Ha muito que o galo cantou

Anunciando a chegada

De um novo dia

 

Sai dessa inercia

Vai fazer nova sementeira

Semeia cravos novos

Antes que te matem de fome

Mostra a ti proprio

Que nao deve ser para ti

O pao que o diabo amassou

Que o comam os bons

Se nas barrigas gordas

Ainda lhes couber

 

Quando o amanha chegar

Sairas para a rua

Espalhando os teus cravos

Os cravos da tua colheita

E poderas respirar

E de novo inundar

De esperanca o coracao

Que dos fracos nao reza a historia

Tu bem o sabes povo meu

 

 

 

 

29
Jan14

MAO SALVADORA


sopa-de-letras

Sexta-feira, 13 de Abril de 2012
MAO SALVADORA

 

 

 

 

 

Nao sei se me doi mais

O bem que me das

Se o mal com que me torturas

Das ondas da minha tormenta

Vejo a tua mao estendida

Que julgo querer-me salvar

Mas quando tento alcanca-la

Percebo que se dilui

Nas aguas revoltas

Que me cercam

29
Jan14

COLHENDO FLORES


sopa-de-letras

Sexta-feira, 27 de Abril de 2012
COLHENDO FLORES

 

 

 

Serenamente colhendo flores

Desbravando mato

Pelos caminhos da minha alma

 

Mato em mim todas as dores

Se um jeito gaiato

Se espalha no ar e me acalma

29
Jan14

CAVALO A SOLTA - 2


sopa-de-letras

Domingo, 6 de Maio de 2012
CAVALO A SOLTA 2

 

 

Cascos levantados

Orelhas arrebitadas

Ventas abertas

Crinas desgrenhadas

Pelo branquinho

Prontinha para atacar

Assim sou eu

Quando sopras

Na minha direccao

Ventos de ciume

29
Jan14

CAVALO A SOLTA - 3


sopa-de-letras

Domingo, 6 de Maio de 2012
CAVALO A SOLTA 3

 

 

Olhos tristes

Postos no chao

Ignorando a beleza do mar

Que tanto me fascina

Ignorando o vento

Que me acaricia

Isolada do mundo

Assim sou eu

Quando te afastas de mim

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D