Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

POETA É O POVO

POESIA

POETA É O POVO

POESIA

23
Nov13

NEVOEIRO


sopa-de-letras

Quarta-feira, 28 de Setembro de 2011
NEVOEIRO

 

 

Fui la fora fumar um cigarro.

Das estrelas de ontem `a noite, nem o rasto.

Das arvores altas, esbatidas pelo nevoeiro,

Chega-me o chilriar dos passaros.

Unico sinal de vida nesta madrugada.

Na minha alma, a tua voz teimosa,

Insistente, vinda das brumas do tempo.

Chega-me cansada, magoada,

Viajante faminta atraves dos seculos.

Como se a minha alma fosse um oasis,

Bem no meio do deserto.

Aqui se instalou e acredito que

Aqui permanecera ate ao fim dos tempos.

Alguem, alguma vez, em algum lugar,

Venceu uma batalha

Contra as forcas da natureza?

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D