Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

POETA É O POVO

POESIA

POETA É O POVO

POESIA

14
Fev20

MEU NAMORADO


sopa-de-letras

Para sempre grata à vida
Por te trazer até mim
Andava na vida perdida
Em labirintos sem fim

Tua presença bendita
Criou-me novo horizonte
O coração já não grita
Refresca-se em tua fonte

Hoje andamos mão na mão
Caminhamos lado a lado
Quietude no coração
Vivemos o nosso fado

Consumimos o presente
Com as lições do passado
E o futuro que aguente
Cá vamos meu namorado !!!


Maria Letras, UK 14.02.2020

81218798_528570894414628_5302233158085771264_n.jpg

 

14
Fev20

NEVOEIRO CERRADO


sopa-de-letras


Quando a noite cai em mim
Baixa o nevoeiro cerrado
Uma escuridão sem fim
Faz soar meu triste fado

Tudo volta novamente
Sem que eu o possa impedir
Passado faz-se presente
E volta pra me agredir

Se eu fosse Deus eu faria
Que todas as dores vividas
Se tornassem por magia
Alegrias divertidas

Sorriria a minha alma
Eu sorriria tambem
Qual bálsamo que acalma
As mágoas que o peito tem

Maria Letras, UK 14.02.2020

NEVOEIRO CERRADO.jpg

 

13
Fev20

ACERTO DE CONTAS


sopa-de-letras

 

Já tanto a vida me deu
E já tanto me tirou
Eu já nem sei se sou eu
Quem até aqui chegou

Estranho-me tanta vez
Quando olho para trás
Ao ver o que a vida fez
Ao ver o que o tempo faz

Pergunto-me, surpreendida
Em meu pensamento breve
Se sou eu que devo à vida
Ou se é ela que me deve

Num breve acerto de contas
A doce tranquilidade
E até as coisas mais tontas
Se transformam em saudade

Maria Letras, UK 13.02.2020

GettyImages-911731612-5c238a67c9e77c00010ec63e.jpg

 

01
Fev20

POETAS DA MINHA TERRA


sopa-de-letras

cartao_postal_escrevendo_vintage_angel_child_na_me

 

POETAS DA MINHA TERRA
 
Poetas da minha terra
Peguem na vossa caneta
Aquilo que a alma encerra
Ponham fora da gaveta
 
Gritem as mágoas ao vento
Que o vento as entenderá
E fará de cada lamento
Floquinhos de maná
 
Poetas que em vosso peito
Guardam palavras e gritos
Sois meus irmãos e respeito
Poemas por vós escritos
 
Na curta estrada da vida
Nunca deixem de marcar
Vossa pegada sentida
E o vosso brado no ar
 
Maria Letras, UK
01.02.2020
29
Jan20

NESSE DIA DE JANEIRO


sopa-de-letras

 

13669699_10154367884214600_6280629967557646693_n.j

 

NESSE DIA DE JANEIRO

Tão menina, tão donzela
Suas mãos cheias de sonhos
Alma pura e suavidade
Criatura tão singela
De boca e olhos risonhos
Desconhecendo a maldade

Era assim naquela altura
Em cada rosto um amigo
Era o que ela imaginava
E em toda a sua candura
Sem quantificar o perigo
A vida toda lhe doava

Paixão queimando no peito
E as pernas que lhe tremiam
Ao dar um tão grande passo
P'ra sempre naquele leito
Muitas virtudes jaziam
Envolvidas num abraço

Maria Letras, UK
29.01.2020

21
Jan20

RECORDANDO O ALENTEJO


sopa-de-letras

76920_468481419883092_972436047_n.jpg

 

Estou sentado à minha porta
Vou olhando o Alentejo
E o meu olhar não suporta
O tanto que sinto e vejo

Vejo planura, distância
Vejo o sol naquele monte
Vejo o tempo da infância
Com a escola ali defronte

Dor e sede a trabalhar
Amarrados à charrua
Homens e mulas lavrar
A terra que não é sua

O suor regou o trigo
E o sangue de cada flor
A enxada foi castigo
A cavar a nossa dor

Mas quando sinto este cheiro
O sofrimento… que importa
Cheiro os cravos do craveiro
Sentado na minha porta

Carlos Escobar

20
Jan20

PASSARINHOS


sopa-de-letras

 

th6RQ4X5OB.jpg

 

Pássaros voando
Cortando o ar
Abrindo caminhos

Talvez vão sonhando
Querendo chegar
Receber miminhos


Também quero ser
Como o passarinho
Ir batendo a asa

Para eu poder
Ir devagarinho
E chegar a casa


Matar a saudade
Ver a minha terra
Seu cheiro sentir

Quero a liberdade
Que este sonho encerra
P'ra sempre partir


Mas como vou viver
Sem os passarinhos
Que cá vou deixar

Preciso aprender
Todos os caminhos
P'ra ir e voltar

Maria Letras, UK
20.01.2020

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar