Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

POETA É O POVO

POESIA

POETA É O POVO

POESIA

21
Out21

O AÇÚCAR E O CINTO


Maria Letras sopa-de-letras

Naquele monte branquinho
De igreja caiada ao lado,
Havia a horta e um burrinho
E a vida cheirava a fado

De tão cruel, a desdita,
Dois maridos lhe levou
Mas teve a graça bendita
Dos filhos com que ficou

Eram onze e em escadinha
Tantos para alimentar
Por mais que doesse, tinha
Que a comida racionar

Certa vez, na sua ausência
O açúcar não escapou
Era tão grande a carência
Que o grupinho o atacou

Porém, como a mãe tardava
O medo veio de mansinho
E o cinto que ela usava
Ameaçava o grupinho

Veio então a grande ideia
Acreditem não vos minto
Pegaram enxada e candeia
E foram enterrar o cinto

Mas pior foi a emenda
Que o soneto, diz o povo
Quantos dias sem merenda ?!
Ou viria um cinto novo ?!

Cansada a mãe lá chegou
E ao preparar a refeição
Vê que o açucar acabou
E reune o grupo então

O resto já se adivinha...
Tiveram que desenterrar
O cinto da sua mãezinha
Para com ele apanhar

Maria Letras, UK
19.10.2021

 

18
Out21

AMAR ENQUANTO É TEMPO


Maria Letras sopa-de-letras

 

O tempo passa a correr
E tudo leva como o vento
E a gente a envelhecer
Sem querer, a perder o tento

Cada dia está mais perto
A linha que marca o corte
Da nossa vida, que é certo
Se vai transformar em morte

Por mais que dela se diga
Ninguém sabe na verdade
Se é na morte que se abriga
A eterna felicidade

De todos os que partiram
Ninguém voltou p'ra contar
O que foi que por lá viram
E que os não deixou voltar

Enquanto por cá andamos
Demos uso ao coração
Porque qualquer dia vamos
Sem direito a dizer não !

Maria Letras, UK
18.10.2021

15
Out21

NOITE AMIGA


Maria Letras sopa-de-letras

A noite é amiga é companheira
Ampara sempre a nossa alma
Quando todos vão embora
É na noite que encontramos a maneira
De chegar à paz e à calma
Que às vezes tanto demora

A noite é uma porta p'rá boémia
Traz os copos traz o fado
Traz a desgraça também
Em forma de alcoolémia
Destroi qualquer ser honrado
E faz dele seu refém

Mas a noite não é só a perdição
E nos caminhos da magia
Há que saber escolher
Pois a noite é uma boa companhia
Se abrirmos o coração
Sem nos deixar corromper

Amo a noite e o seu doce aconchego
Vagueio p'los seus caminhos
Quase perdida de mim
Será mania ou é vício a que me apego
Voar como os passarinhos
Entre quimeras sem fim

Maria Letras, ES
28.09.2021

11
Set21

NOUTROS TEMPOS O MEU LAR


Maria Letras sopa-de-letras

NOUTROS TEMPOS O MEU LAR 1.jpg

 

Ao sábado pela manhã
Ia ás compras ao mercado
Voltava com a cesta cheia
Vinha o cheiro a hortelã
Peixe fresco e arranjado
E uns bolinhos para a ceia

Verdura fresca orvalhada
Bivalves ou camarão
P´ró petisco de domingo
A carne que era comprada
Com mestria e precisão
Tão longe, já nem distingo

Flores lindas escolhidas
Com carinho e emoção
Para enfeitar o meu lar
Eram o toque de Midas
Que abafava a exaustão
Depois da casa limpar

Tudo parecia perfeito
Corridas as persianas
Por dentro a janela aberta
E hoje, algures no meu peito
Moram saudades paisanas
Se a nostalgia me aperta

Maria Letras, PT
11.09.2021

10
Set21

AVENTUREIRO


Maria Letras sopa-de-letras

AVENTUREIRO.jpg

 

Há quem diga que em Lisboa
Nasceu o místico fado
E de lá seguiu à proa
Das nossas naus embarcado

Pelo mundo ao Deus dará
Confortando a alma lusa
Nunca o fado esquecerá
Severa a primeira musa

Como todo o aventureiro
Sofre mas é guerreiro
Quiçá feliz, afinal

Anda por lá todo o ano
Mas não se dá ao engano
E volta sempre a Portugal

Maria Letras, PT
10.09.2021

21
Ago21

PERDER UM FILHO


Maria Letras sopa-de-letras

PERDER UM FILHO

Quando o amor acontece
Na vida de uma mulher
Seu corpo, bendita prece
Faz a vida acontecer

Por milagre do Divino
Dá-se tal transformação
Que um ovinho pequenino
Se transforma em coração

E desde o primeiro momento
Sem mesmo saber porquê
Nela nasce o sentimento
De amor pelo seu bébé

Então pela vida fora
Nada mais será igual
Jura a partir de agora
Salvá-lo de todo o mal

E é por isto que eu digo
Não há maior sofrimento
Que ter na vida o castigo
De ver partir um rebento

Maria Letras, UK
10.01.2019

17
Ago21

VENTURA OU MALDIÇÃO


Maria Letras sopa-de-letras

Vá lá a gente saber
Se é ventura ou maldição
Só por alguém conhecer
Perdermos o coração

Dentro do peito a saltar
Esse doido desvairado
Como viola a marcar
O compasso de algum fado

Basta uma troca de olhares
P'ra se soltar a amarra
Lá vai tudo pelos ares
Como o som duma guitarra

Se é ventura pois que seja
Não a conheço maior
E que a gente sempre veja
Desabrochar o amor

Se é maldição que fazer
Bendita essa maldição
Que quase nos faz morrer

E nos leva o coração

Maria Letras, UK
16.08.2021

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Em destaque no SAPO Blogs
pub