POETA É O POVO
POESIA
30
Out 16

OOO.png

 

 

Quando os dias correm agitados

e se embrenham na floresta dos sentidos,

eles próprios se confundem

nos carreiros encontrados

e circulam em espiral,

nas brumas dos desejos exauridos .

E no vazio se perdem; feitos noite,

sem estrelas ,sem brilhos, sem luar,

despidos de lugares e horizontes,

da vida se despedem,

esquecidos de voltar.

E deixam os despojos das lembranças,

Empedernidos em esfinges de saudade,

Que a memória amorfa não alcança.

Cascais, 01 de Outubro de 2013

Joaquim Isqueiro

 

publicado por sopa-de-letras às 17:34
Outubro 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
25
27
28
29
31
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts mais comentados
6 comentários
2 comentários
2 comentários
2 comentários
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
links
comentários recentes
Estamos sempre a tempo de ser felizes.
Ta...ta...ok...ta.... I love you...
Jorge Miguel....falamos la dentro ....ta????kkkkkk...
Isabel querida, obrigada pelas tuas palavras. Esto...
Pessoalmente fiquei abismado... nao porque duvide ...
Querida mana do coraçao ,já chega de sofrimento,tu...
Obrigada por visitar e comentar.Sinta-se em casa.
Évora é a nossa Mátria!http://aquem-tejo.blogs.sap...
Muito obrigada pelo seu comentario , meu amigo. Eu...
Olha que surpresa agradável me faz a amiga M.V.Let...
blogs SAPO