POETA É O POVO
POESIA
29
Jan 14

Quinta-feira, 4 de Outubro de 2012
DEIXEM-ME SO

 

Afastem-se de mim, que pego fogo

Deixem que seja eu a consumida

Nao me ponham `a frente o mesmo jogo

Porque sei de cor cada partida

 

Deixem que a minha alma grite

Tapem os ouvidos se quiserem

Pois ela vai gritar ate que eu fique

Sem sentir os males que me fizerem

 

Nao facam de mim um brinquedo

Porque de brinquedo nada tenho

Sou uma mulher que nao tem medo

Da luta em que creio e que me empenho

 

Deixem-me so que quero chorar

Ate que a magoa me seque o coracao

Antes ser o rochedo em alto mar

Do que casca de noz sem direccao

 

poema: Maria Letras

tela(desatino): Maria Letras

publicado por sopa-de-letras às 19:40
tags:
Janeiro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
12
13
14
15
16
18
19
20
21
22
23
25
26
28
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts mais comentados
6 comentários
2 comentários
2 comentários
2 comentários
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
links
comentários recentes
Estamos sempre a tempo de ser felizes.
Ta...ta...ok...ta.... I love you...
Jorge Miguel....falamos la dentro ....ta????kkkkkk...
Isabel querida, obrigada pelas tuas palavras. Esto...
Pessoalmente fiquei abismado... nao porque duvide ...
Querida mana do coraçao ,já chega de sofrimento,tu...
Obrigada por visitar e comentar.Sinta-se em casa.
Évora é a nossa Mátria!http://aquem-tejo.blogs.sap...
Muito obrigada pelo seu comentario , meu amigo. Eu...
Olha que surpresa agradável me faz a amiga M.V.Let...
blogs SAPO