POETA É O POVO
POESIA
11
Jul 14

 

Nao me vem do coração

Nao me vem da alma

Nao me vem do corpo

Vem dum espaço

Em mim desconhecido

Este amor cigano

Que vive do que rouba

Que se alimenta de lágrimas

E mata a sede

Nas tuas maldades

 

Vergada `as evidencias

Dobrada sobre o meu ventre

Enrolada sobre mim mesma

Carpindo

Destilando a minha dor

Vou definhando

 

 

 

 

 

 

publicado por sopa-de-letras às 22:19
tags:
Julho 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts mais comentados
6 comentários
2 comentários
2 comentários
2 comentários
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
links
comentários recentes
Estamos sempre a tempo de ser felizes.
Ta...ta...ok...ta.... I love you...
Jorge Miguel....falamos la dentro ....ta????kkkkkk...
Isabel querida, obrigada pelas tuas palavras. Esto...
Pessoalmente fiquei abismado... nao porque duvide ...
Querida mana do coraçao ,já chega de sofrimento,tu...
Obrigada por visitar e comentar.Sinta-se em casa.
Évora é a nossa Mátria!http://aquem-tejo.blogs.sap...
Muito obrigada pelo seu comentario , meu amigo. Eu...
Olha que surpresa agradável me faz a amiga M.V.Let...
blogs SAPO