Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

POETA É O POVO

POESIA

POETA É O POVO

POESIA

28
Mar14

CAMINHO ERRADO


sopa-de-letras

 

Não vás por aí...........

 

Pára !

 

Olha para dentro de ti.

Estás novamente a iludir,

 

A criar falsas espectativas

Em ti e na outra pessoa,

Que parece ser tao débil.

 

Pára de magoar !

 

Tu sabes

Que esse não é o caminho.

 

Tu sabes ....

Embora nem para ti o admitas,

Que no fundo do teu ser,

Está de pedra e cal,

Aquela esperança

Aquele desejo

Aquele amor

Que rejeitas,

Com a dor de quem,

Sem ter como evitar,

É obrigado a rejeitar

Um filho das suas entranhas.

 

Um filho que é um amor,

Um amor que vive ainda,

Mas vive soterrado

Pelas toneladas de lixo

Que, desorientadamente,

Lhe descarregamos em cima

 

Não vás por aí........

 

Tu sabes,

Como eu sei

Que ninguém, jamais,

Poderá preencher

Esse espaço vazio.

 

Porque esse espaço

É nosso !

 

É teu em mim.

É meu em ti.

 

Somente nós o podemos ver.

Somente nós o podemos sentir.

Somente nós o podemos completar.

08
Mar14

SENTIR-TE


sopa-de-letras

Bonito poema do meu amigo :
José Frota

Houve um dia, já lá vão muitos , muitos  anos, quando comecei nestas coisas da escrita, que também tive a tineta de ser poeta. E ainda escrevi um série de coisas que nunca cheguei a publicar por reconhecer a sua manifesta falta de qualidade. Há dias, porém,remexendo em velhos papéis, fui dar com um desses modestos esboços de palavras mal alinhavadas que atendendo ao dia que passa, decidi hoje expor publicamente em homenagem à mulher, o mais belo ser da criação divina.  Perdoem-me a pobreza do então escrevi, que tem, no entanto, a vantagem de corresponder ao  que senti e ainda hoje sinto. Para todas as mulheres que passaram pela min...ha vida e para todas as minhas amigas aí vai então: 

 

 

 

SENTIR-TE

 

Sentir-te

No canto dum pássaro

No assobio do vento

No gotejar de uma fonte

 

Sentir-te

Na brisa estival

No sol de Inverno

No orvalho de uma fonte

 

Sentir-te

Na esperança das madrugadas

Na quietude dos poentes

No ruído dos meios-dias

 

Sentir-te

No olor do cravo

Na seiva do pinheiro

No búzio da praia

 

Sonhar-te

No raio do luar

No fluir do tempo

Na vida que passa.

 

POEMA DE JOSE FROTA

FOTO DE MARIA LETRAS

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Links

-POESIA

Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D